Cérebro – artigo de luxo

Eu sei que vão reclamar, mas….

O cérebro em uso, ou seja, aquele que ainda sabe pensar, atualmente, está virando artigo de luxo.

Ultimamente, no mundo do desenvolvimento de software, as pessoas estão cada vez menos gostando de pensar.
De um tempo para cá, empresas de tecnologia tiveram a grande sacada de fazer IDEs e linguagens mais fáceis para desenvolver-se software, frameworks, componentes de tela, de banco, etc, para que os desenvolvedores ganhassem mais produtividade no desenvolvimento de sistemas. Ok, Isso é legal, mas existe um detalhe importante. Ao mesmo tempo que se fizeram frameworks e IDEs que agilizam o desenvolvimento, fizeram também elas de uma forma que qualquer dumb consiga desenvolver um software.

As empresas, consumidoras dessas tecnologias, tentando desenvolver software mais baratos para serem usados em casa, acabam contratando pessoas, não profissionais, que conseguem se virar e fazer um software meia boca, mas que faz de forma razoável o que é preciso.

Até esse ponto, ainda está tudo bem.

Com o passar dos anos, muitas pessoas que eram desenvolvedores – usuários de frameworks na verdade – passaram a achar isso legal e um monte de novos desenvolvedores começaram a se capacitar nos tais e novos frameworks non-developer-friendly achando que isso era bom e criou-se um padrão de desenvolvimento e de qualidade em cima de softwares sem qualidade.

Isso é um problema.

Não estou dizendo que as tecnologias para agilizar desenvolvimento são ruins. Ruim é ensiná-la na faculdade.

Um aspirante a desenvolvedor aprende VB/Java/C#/PHP na faculdade e sai sem entender bulhufas de C ou Pascal. Eu já vi muita gente que não sabe a diferença de um array simples e um associativo. Outras duas situações comuns:

  1. Recursos são infinitos e não custam nada ao processador: Tem muito software por ai aonde não se usam arrays, mas controles UI para se ter uma lista ordenada. Já vi um cara falar que usar um vector é nojento. Use um listbox pois assim você vê o que acontece
  2. Incapacidade de criar: Outra coisa comum é o ver programadores colocando caixinhas em forms e ligando elas. Agora, fale para eles que eles terão que criar um componente e prepare-se para a cara de horror. Esquecem que alguém fez os componentes que eles usam.

No primeiro caso, acaba-se diminuindo muito o nível técnico dos desenvolvedores. Temos assim software ruim, lento, cheio de bugs, insegurança, etc.

No segundo caso ocorre algo ainda pior. A capacidade de abstração do sujeito vai indo por água abaixo e isso é importantíssimo para o desenvolvimento de software. Pensar e criar sem ver o que está acontecendo. A capacidade intelectual diminui.

Bom, chega de reclamar.

No meu ponto de vista, duas coisas bem simples são necessárias para isso parar.

Primeira: Pessoal, vamos aprender C !!!! E de preferência sem debuggers para o aprendizado.
Segunda: Antes de usar um framework ou qualquer outra coisa, vamos entender o que está acontecendo por debaixo dos panos. Mesmo que não se entenda completamente, mas o necessário para caso tenha-se um bug ou alguma alteração seja necessária, sejamos capazes de fazê-la.

Alguma sugestão ? Comentem.

6 thoughts on “Cérebro – artigo de luxo

  1. Frank

    Thiago, isso não tem nada a ver com a tecnologia, mas com a forma como as coisas são ensinadas. Aprender C não garante que alguém vai ser um bom programador. E eu sou completamente contra a idéia de que “programador bom usa o notepad” ou qualquer outra besteira do tipo, as ferramentas existem para serem usadas, mas como a sua própria imagem diz, você tem que usar o cérebro para ver que ferramenta é melhor para que trabalho. É isso que deve ser ensinado.

    Reply
  2. thiago Post author

    Tem relação com a tecnologia, mas não como você colocou.
    Aprender C não garante nada e nem C#/java são tecnologias ruins.
    Agora, você na faculdade não aprender C/pascal ou qualquer outra linguagem aonde você precisa fazer o gerenciamento da memória, criar laços, etc, é ruim.
    As ferramentas devem ser usadas se forem boas para o trabalho, senão, quem desenvolve precisa saber fazer a própria.

    Reply
  3. Fábio Mattes

    Bom eu programo em delphi desde 2001 e aprendi o seguinte:

    Sim você deve ter uma ferramenta, mas você não deve programar em favor dessa ferramenta.

    Reply
    1. thiago Post author

      porquê ? Não entendi.
      O meu ponto aqui é que no mundo tecnológico, tenta-se fazer ferramentas inteligentes para que os desenvolvedores não precisem ser.
      O ruim é que muita gente esquece o que se passa e vira simplesmente usuário de tecnologia e não desenvolvedor.Não acha isso muito limitante para uma pessoa que tem um cérebro para pensar e muita capacidade para criar ?

      Reply

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *